Nesta semana, Neymar foi às redes sociais e criticou quem é brasileiro e torce contra a Seleção e ainda torceu pela Argentina na Fina da Copa América. A polêmica foi enorme.

Nesse sábado, o Flamengo demitiu o técnico Rogério Ceni e já contratou Renato Gaúcho. A saída do M1to foi celebrada por vários torcedores do Fortaleza. O extravaso dos tricolores tem seus motivos.

Ano passado, Ceni deixou o Fortaleza (pela segunda vez, mesmo depois de ter dito que iria cumprir o contrato até o fim) no meio da temporada para fechar com o Flamengo. O Tricolor não conseguiu se reencontrar no Campeonato Brasileiro e por muito pouco não foi rebaixado, enquanto o time carioca foi campeão.

Os torcedores do Fortaleza, apesar de reconhecerem Ceni como o maior treinador da história do clube, não o perdoaram. E com a demissão deste final de semana, fizeram questão de manifestar uma certa profecia escancarada pelo ícone leonino Emanuel Magalhães (Xeique do Programa de rádio A Voz da Fiel): “Todo aquele que prejudicar o Fortaleza seja direta ou indiretamente, será impiedosamente castigado”.

Muitos discordam de parte da torcida. Acham que Rogério Ceni merece respeito e que o legado e os títulos conquistados por ele no Pici são muito maiores, que o rompimento do contrato ano passado. Ainda mais que a saída foi para o Flamengo, que era e é o time mais rico e com melhor elenco do Brasil.

Mas nem isso serve como justificativa. Ceni, argumentam, era pra ter cumprido a promessa feita (de só sair quando o contrato acabar, já que na vez anterior em que saiu da mesma forma para o Cruzeiro se decepcionou e voltou). Agora, com toda justiça paga na mesma moeda. Só que com um diferencial, o Fortaleza não o quer mais, pelo menos não agora.

O argentino Juan Pablo Vojvoda encanta os tricolores com um futebol pra frente, com carisma e ainda sem a tradicional arrogância do M1to, que era um de seus pontos fracos na relação com os leoninos.

Os defensores de Ceni, contudo, lembram a frase do próprio Presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, ao perguntar a opinião dele sobre a saída do então treinador para o Flamengo: “Como amigo, eu diria pra ele ir. Como dirigente do Fortaleza, eu digo que ele não deveria sair”.

A oferta do Flamengo era irrecusável, o rubro-negro lutava pelo título, o Fortaleza estava numa posição confortável na tabela e faltavam pouco mais de 4 meses para o Campeonato acabar. Ou seja, era até um “prêmio” para Ceni, por tudo o que fez pelo Tricolor (conquistas e títulos inéditos).

Os argumentos passam ainda naquela pergunta: qual trabalhador permaneceria na empresa, ao receber uma oferta para trabalhar na melhor companhia do País e ganhando 3 vezes mais?

Tentando ser objetivo na pergunta feita no título deste post, creio que os tricolores têm sim o direito de se chatear com Rogério. Para muitos, a palavra (e o contrato assinado) tem um peso muito maior do que qualquer oferta financeira. Ainda mais de um treinador que está começando a carreira e dinheiro no bolso não é o problema. O risco deixado para o Fortaleza foi muito maior que a felicidade buscada. Tá certo que ele ganhou o título brasileiro, mas o tempo foi sábio ao confirmar neste final de semana que o Flamengo jamais vai respeitar o tanto que os tricolores o respeitaram e o admiraram.

Agora, se o Rogério vai um dia voltar ao Pici e ser admirado por esses mesmos que celebraram sua desgraça. Isso eu não tenho a menor dúvida. Futebol é tem como música tema a famosa canção de Raul Seixas: Metamorfose Ambulante.

📸 Ascom/Flamengo