Um dos mais capacitados e respeitados comentaristas da crônica esportiva cearense, Caio Costa é uma enciclopédia. Conhecido pela memória impressionante, o comentarista do Futebolês consegue lembrar de lances, substituições, gols e até número da camisa de jogadores do passado, que dão inveja a Milton Neves e Paulo Vinícius Coelho.

Aos 36 anos, Caio é dono de uma coleção interminável de camisas de times de futebol, é fã de rock e com muita sabedoria não revela o time do coração. Ao lado de Jussie Cunha, forma uma das duplas mais famosas do jornalismo cearense e brilha como poucos nas mais variadas plataformas de comunicação: TV, Rádio, Youtube, Redes Sociais.

Além de estar todos os dias na TV Jangadeiro, das 12h50 às 13h20, e na Jangadeiro Band News FM, das 17h às 18h, Caio marca presença nas redes sociais do Futebolês, onde são seguidos por uma legião de uma centena de milhares de fãs, sem contar os milhares de admiradores no Youtube.

Confira abaixo a entrevista:

O jornalismo esportivo apareceu por que não conseguiu ser jogador de futebol ou surgiu por outro motivo?

Cara, meu pai é jornalista, mas não de esportes. Na real, sempre tentei fugir. Cheguei a cursar comércio exterior e direito. Mas teve uma hora que não deu mais pra fugir. Nunca tive a ideia de ser jogador, até pela falta de talento heheh, mas arranhava no gol jogando futsal.

Como foi o início da carreira? Começou na verdade com quantos anos e qual foi o primeiro veículo?

De certa forma comecei tarde. A partir de 2011 que começou a engrenar. Fazia participações esporádicas em programas de rádio e TV e escrevia num blog. Até que em 2012, o Fernando Graziani, uma pessoa que sempre terei muita gratidão, me chamou pra trabalhar no antigo Jangadeiro Online. Aí estou no Sistema Jangadeiro até hoje.

A memória é um dom ou existe algum exercício que você faz para se lembrar de tanta coisa que ninguém consegue nem mesmo olhando num livro?

Sinceramente, não sei explicar.

Todo jornalista esportivo tem um time de coração ou é possível entrar nesse meio e ficar fora desse frenesi?

Claro que tem. Mas com o tempo o que vale é o teu trabalho e a qualidade do mesmo. E para que esse trabalho tenha de fato repercussão é fundamental sucesso de todos os clubes. Basta dar uma olhada no crescimento das publicações independentes desde 2017, ano que coloco como o boom do futebol cearense.

Futebolês hoje é a plataforma esportiva mais vista do Estado do Ceará. Esse sucesso todo se deve a que?

A uma equipe que é pequena, mas muito, muito raçuda. Que não tem medo de arriscar, de tentar o diferente. Muita coisa hoje comum, quando a gente fez era super novidade. E o mérito disso é de Jussie Cunha. Que é um sujeito inquieto, talentoso, que nunca tá satisfeito com nada e por isso exige e eleva o patamar de todo mundo que trabalha com ele.

Quem são suas inspirações? Você gosta de ver alguém comentando? Ou melhor, você para na frente da TV, do Rádio ou na Internet para ver, ler ou ouvir algum jornalista?

Kempes, até pela minha idade, a TV Bandeirantes, a revista Placar e o início da ESPN são meio que pilares disso. Gente como PVC (ainda nos tempos de Placar também), vira muito a referência. Nacionalmente, além do já citado PVC, tem gente como Rafael Oliveira, Leonardo Bertozzi. De ex-jogadores, o Pedrinho e o Roque Júnior. Trazendo pra cá, tive o prazer de trabalhar com o Carlos Fred, que foi um professor no dia a dia. Além de uma galera atual que é muito boa, como André Almeida, o Daniel Rocha. Isso sem esquecer o gigante o Wilton Bezerra. E acredito que em breve vão falar muito do Renato Manso, que está com a gente.

Ah, pra completar: ninguém escreve sobre futebol como Tostão.

Mudar um pouco o estilo das perguntas, queria saber de ti qual o melhor jogador que você viu jogar (não vale o que não viu, Pelé?)

Até aparecer Messi, a resposta sempre foi Romário e Zidane.

Qual o melhor goleiro?

Memória afetiva era Taffarel, mas na real, é Neuer. Mas sempre cito Serginho, campeão mundial de futsal, meu ídolo quando era criança.

Qual o melhor treinador?

Guardiola

Qual o melhor time?

Barcelona (2008-2011)

Qual foi o melhor narrador: Luciano do Valle ou Galvão Bueno?

Aí tu me quebra. Vou no Luciano do Valle também pela memória afetiva da Band dos anos 90, Show do Esporte, Faixa Nobre. Mas o Galvão é o maior de todos.

Longe do jornalismo, o que o Caio Costa gosta de curtir?

Uma boa cerveja, com os amigos. Curtir o tempo livre com a namorada (inclusive pra cozinhar com e pra ela) e assistir um bom jogo, sem aquele compromisso de analisar.

O que é melhor de se fazer: rádio, TV ou Internet? Por que?

Tudo é legal. Mas o rádio é insuperável.

Você tem opiniões muito contundentes. Já sofreu com os haters?

Cara, já. Mas quem não? Outro dia disse que o Messi merecia finalmente ter ganho um título pela Argentina e o primeiro comentário foi “vai tomar no cu”. Afinal, a internet deixa todo mundo valentão e sem filtro. O complicado é quando distorcem o que você falou.

Por falar em Haters, como você vê essa polarização escancarada que há hoje de não poder se posicionar sobre determinado tema, que já aparecem logo dizendo que você torce por Time A ou B?

Faz parte da profissão. Mas as vezes faço aquela oxigenada, evito rede social.

Pra fechar, quais são seus planos ou projetos para a carreira?

Kempão, sonho em evoluir na profissão. Aprender mais, avaliar. E sonhos e objetivos a gente tem, mas as vezes é melhor ficar quieto. heheh