Representantes dos clubes da Série A se reúnem nesta terça-feira, 14, para o Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro. Entre as pautas, de acordo com o UOL Esporte, estará em pauta a tentativa de reduzir de 4 para 3 o número de times rebaixados à Série B. Um dos argumentos é de que as principais ligas da Europa, incluindo a Premier League, a mais rica do Planeta, rebaixa 3.

Usar a Premier League como argumento para rebaixar 3 clubes na Série A só comprova o quanto essa turma é covarde, corrompida e jamais pensou ou pensa no futebol brasileiro. Se querem usar a Premier League como parâmetro, por que não fazer o mesmo na divisão do dinheiro da TV?

Para o interesse próprio, os dirigentes dos clubes usam as ligas europeias como argumento. Para o futebol brasileiro crescer, aparecem desculpas com o único objetivo de manter a hegemonia de uma elite atrasada, injusta e muitas vezes segregadora.

Com a volta de Vasco, Grêmio e Cruzeiro, o G12 criou força e não quer retroceder para manter seu grupo na Série A. E Isso chega claramente às TVs, que já largaram a Série B. E parte da imprensa segue calada, com argumentos rasos e sem se aprofundar no debate.

Aí, enchem o peito para falar que o futebol brasileiro não é mais o mesmo com argumentos sobre fiascos em Copas do Mundo e Mundial de Clubes. Enquanto essa elite estiver à frente do futebol, vamos padecer, sim. O mundo mudou, mas essa turma quer seguir roendo o osso.

Onde há neste Planeta, um País com dimensões continentais com tanta produção de futebol? Mas os caras excluem (exploram) uma parcela gigante do mapa, beneficiam (enriquecem) uma pequena Região e ainda acham que podem se comparar à Inglaterra. Um País menor que a Bahia.

E o discurso é bonito, cheio de dados, informações e corroborado por parte de uma imprensa que se diz nacional, mas que passa 1h (o programa tem 3h) debatendo sobre um cartão amarelo recebido pelo Gabigol, enquanto em outra parte do País continental há gols e bola rolando.

E quando alguém ou algo surge para tentar reduzir a discrepância da elite, ela cria uma narrativa para desqualificar ou rebaixar quem está crescendo. Aí, a ciranda volta para o ponto de partida. E precisamos voltar a lutar lá do zero, enquanto a elite já está em outro patamar.