A campanha ruim na Série C do Brasileiro, quando novamente não se classificou para a 2ª Fase e só conseguiu escapar do rebaixamento na penúltima rodada, parecia ter decretado o fim da temporada 2020 para o Ferroviário.

Toda a comissão técnica, vários jogadores e membros do departamento de futebol deixaram o clube. A Taça Fares Lopes, que dá ao campeão uma vaga na Copa do Brasil, parecia não ser mais interessante para o Peixe, que juntava os cacos para formar um elenco e contratar uma nova comissão técnica.

Mas o Ferroviário ressurgiu, se reestruturou, foi ao mercado, contratou bons valores, trouxe o badalado treinador Francisco Diá e, pouco mais de dois meses depois da melancólica campanha na Série C, superou o Icasa, venceu a Final por 1×0 e de forma invicto conquistou a Taça Fares Lopes e o tão sonhado lugar na Copa do Brasil.

Vale lembrar que disputar a competição nacional deve render por baixo mais de meio milhão de reais aos cofres do clube.

Parece que renascer virou uma sina no Peixe. Desde 2017, quando ninguém acreditava no time (chegou a treinar em areninhas – campos de futebol de 7-, eliminou o Fortaleza do Estadual e foi vice-campeão cearense) que a equipe coral não para de ganhar títulos. Já são quatro taças nos últimos 3 anos.

Campeão Brasileiro da Série D e da Taça Fares Lopes em 2018, Campeão da Taça dos Campeões em 2019 e agora o Bi da Fares Lopes.

Para quem há 5 anos disputava a 2ª Divisão do Estadual e não mostrava forças para sair do buraco onde estava, vê agora o Peixe com cara outra vez de uma Fênix.

📸 Lenilson Santos/FAC