O desejo de voltar a disputar uma competição internacional não é reprimido pelos lados de Porangabuçu e nem pelos lados Pici. Pelo contrário, uma vaga na Copa Sul-Americana é motivo de muito entusiasmo, prestígio e dinheiro no bolso.

Os dois times cearenses estão na briga por um lugar no torneio continental. Para o Ceará, a vaga está praticamente encaminhada, o time pode até perder os dois jogos que faltam para acabar o Brasileirão que mesmo assim ainda é possível se classificar.

 Para o Fortaleza, é quase uma consequência caso confirme a permanecia na Série A. Em 15º lugar, o Leão precisa terminar em 14º, hoje é a posição do Sport, que está só um ponto acima e tem adversários bem mais difíceis pela frente (pega Atlético/MG e Athletico/PR, enquanto o Tricolor encara Bahia e Fluminense).

Para a Sul-Americana de 2021, a Conmebol fez várias mudanças, numa delas, os brasileiros que disputarem a competição irão entrar diretamente na Fase de Grupos. A cota de participação é de 300 mil dólares por jogo como mandante, ou seja, 900 mil dólares no total, algo em torno de R$ 4,9 milhões.

O valor é superior a toda a premiação do Campeonato Cearense (R$ 600 mil) e da Copa do Nordeste (R$ 3,9 milhões, caso conquiste o título). Competições em que Ceará e Fortaleza estarão disputando a partir de março, juntamente com a Copa Sul-Americana.

Lembrando que se avançar para as oitavas de final da Copa Sul-Americana, a premiação é de mais 500 mil dólares (cerca de R$ 2,5 milhões). Se chegar à final, o valor total pode alcançar: R$ 36 milhões

📸 Divulgação/Conmebol