Em entrevista coletiva, nesta sexta-feira, 24, a respeito da convocação da Seleção Brasileira para os jogos contra Venezuela, Colômbia e Uruguai, agora no início de outubro, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, o técnico Tite foi questionado por este jornalista sobre o encontro que teve com a delegação do Fortaleza.

O treinador da Seleção falou que conversou com o zagueiro Titi, o meia Lucas Lima, o ala Pikachu, o presidente Marcelo Paz e o técnico Juan Pablo Vojvoda. O papo, contudo, passou para o lado pessoal.

O comandante tricolor questionou a Tite sobre como é morar no exterior sem a família. O técnico da Seleção foi bem sincero e revelador sobre a conversa. Confira no vídeo abaixo.

“Eu conversei com bastante pessoas. Parabenizei o Fortaleza pela grande campanha. Conversei com o Titi, dei um abraço nele, parabenizei, com o Lucas Limas, com o Pikachu. Enfim, com todos os atletas que estavam ali. Com o presidente depois, Marcelo. E conversei com o Vojvoda algum tempo. E aí, ele comentou a respeito de uma entrevista, que havia saído na Argentina, questionando, e a gente falando sobre futebol, falando sobre sistema, sobre posição, função, até porque o jogo tático é real, ele é visual, ele é de difícil leitura. Então, nós ficamos conversando sobre posicionamentos, sobre funções, sobre ponta aberto, amplitude, ou… Quantos ficam entre linhas. O que é ficar entre linhas, que linhas tem o adversário. Então, a gente ficou trabalhando com sistema de 3, com linha de 5, ficamos conversando. A minha esposa ficou olhando para o lado e acho que ela aprendeu alguma coisa ali. E a gente ficou conversando a respeito da dificuldade humana, que ele colocou. Que me permita poder falar, que ele tá sozinho, sem os 3 filhos, sem a sua esposa. Daqui a pouco sente bastante o resultado. Ele disse, chegar e esperar, a gente sente bastante o resultado e não tenho o suporte familiar. Perguntou pra mim como eu fazia, quando fui para o exterior. 2 vezes quando fui trabalhar nos Emirados Árabes, como é que nós fazíamos. E eu disse, eu levei a família toda, se não eu não tenho suporte. E ele perguntou: tu levou? Que idade tinha teu filho? eu disse, tinha 17. Meu filho jogou no Al. Alin. E tua filha? minha tinha 9 anos. Ela não sabia. O pessoal falava inglês com sotaque árabe e ela não entendia nada. Começou a chorar. Ficou 2 dias e não queria ir pra aula. Então, essas adversidades, e ele disse eu não tenho com quem suportar. Bom, gruda na comissão técnica, nas pessoas próximas, porque o lado humano é importante. A fora todos os benefícios que a atividade tem. A atividade é extraordinária, mas ela paga um preço em relação a isso. Nós falamos bastante sobre isso”, finalizou, Tite.

📸Leonardo Moreira/FEC