A perda do título do Flamengo para o Palmeiras havia deixado um ar de incerteza de como o time rubro-negro e a torcida poderiam assimilar o golpe. E com isso, o Ceará poderia ganhar proveito. No entanto, na noite dessa terça-feira, com quase 50 mil pessoas, cariocas e cearenses fizeram um grande jogo e os donos da casa souberam se livrar do trauma da Libertadores.

Por isso, é até injusto alguém jogar a culpa da derrota por 2×1 para o volante Fabinho, que realmente vacilou e errou no 1º gol do Flamengo, logo aos 2 minutos, em roubada de bola de Diego Ribas e passe para Gabigol marcar o dele.

Mas só mostra o tamanho da dificuldade que o Ceará teve pela frente e mesmo assim ainda arrancou o empate e quando parecia estar mais próximo da virada, os rubro-negros fizeram o 2º. E olhe que nos acréscimos ainda teve uma leve pressão alvinegra com 3 escanteios e chute do Clebão, que por pouco não igualava o marcador.

É óbvio que a ausência do meia Vina, principal nome do time no campeonato e na temporada, já trazia uma certa dificuldade para a equipe de Tiago Nunes, que escalou um time bem diferente, mas taticamente interessante. Sem centroavante fixo e com Yony, Mendoza e Lima na frente. E o jovem Kelvyn na transição. Apesar de que com o Flamengo em cima, desde o início, o esquema tático era esperar lá atrás e explorar os contra-ataques.

No 1º tempo, foi difícil, principalmente pelo gol tomado muito cedo e a correria do Flamengo, que parecia ter entrado com a faca nos dentes, doido pra mostrar serviço e provar pra torcida que já estava recuperado da derrota da Libertadores e queria vencer a todo custo.

Na segunda etapa, o panorama não mudou, os donos da casa mantinham a pressão para ampliar e o Vovô aguardava uma brecha para acertar o contra-ataque. E depois das entradas de Rick e Jorginho, o time deu uma melhorada e o empate saiu.

Rick começou a jogada, tocou pra Yony, que bateu forte, o goleiro Hugo deu rebote, e a bola sobrou pra Rick, que de joelho, quase no chão (foi empurrado pelo zagueiro) igualou o marcador. O Flamengo sentiu o gol e balançou, o Ceará chegou mais ao ataque, porém, a força de um elenco, que é o mais caro e melhor do País, resolveu, e o lateral Matheuzinho fez o 2º.

Não dá pra reclamar da luta alvinegra e muito menos da vontade de não só empatar como até virar o placar, no entanto, os rubro-negros estavam pilhados e mereceram o resultado positivo. Agora, resta ao Ceará descasar essa quarta-feira, e despois se preparar para a decisão de domingo contra o América/MG.

📸Fausto Filho/CearáSC