O futebol só possui 17 regras, para alguns muito simples (menos a do impedimento, claro). Nesta semana, a CBF publicou o Regulamento Geral das Competições de 2022. O documento é o que norteia todas os campeonatos organizados pela entidade nacional: Séries A, B, C, D, Copa do Brasil, Copa do Nordeste e os outros certames de categorias de base e feminino.

Dessa forma, para a realização de uma partida organizada ou promovida pela CBF há algumas regras, que se não forem cumpridas a bola nem rola. Claro que muitas são conhecidas: se não tiver ambulância, se não tiver policial, por exemplo, o jogo não começa. Empate vale 1 ponto, vitória vale 3 pontos. Mas há outras bem mais curiosas que provavelmente você, querido leitor, nem imaginava.

Por exemplo, você sabia que para uma partida começar é necessário que o Delegado da Partida e o Quarto árbitro tenham identificado cada atleta relacionado através de um documento de identidade. Esse é o artigo 73.

Ou ainda que para um clube utilizar numeração fixa é necessário enviar uma comunicação expressa para o departamento de competições da CBF. Além disso, 30 dias antes do jogo inicial, o clube precisa informar, com as respectivas imagens, os 3 uniformes, que serão utilizados no campeonato. Isso está no artigo 26.

Se a Supercopa do Brasil (entre Atlético/MG e Flamengo) for realizada na Arena Castelão, quem vai utilizar o vestiário do Ceará? Quem vai utilizar o vestiário do Fortaleza? O artigo 28 é claro: o clube que tiver o mando de campo é quem escolhe o vestiário.

Na súmula, cada clube poderá relacionar 5 atletas estrangeiros (o Fortaleza, por exemplo, já tem seus 5: Landázuri, Ceballos, Henriquez, Depietri e Romero). Assim como só poderá relacionar 5 atletas não profissionais desde que não sejam menores de 16 anos e maiores de 20 anos. Tão lá nos artigos 41 e 42.

O leitor mais apressado pode dizer: “Mas essas regras se forem descumpridas não dão em nada”. Isso também está no RGC. O Artigo 53 determina que a “inobservância ou descumprimento deste RGC, sujeitará o infrator às seguintes penalidades administrativas: advertência, multa pecuniária ou vedação de registro ou transferência de atletas”. Num brinque, não, cidadão!

Mais uma. Artigo 59. Se uma equipe ficar com menos de 7 atletas no campo, após o início da partida, além de perder o jogo por 3×0, leva uma multa de R$ 50 mil e não recebe o valor da renda do jogo.

Você sabia que é considerada uma conduta ilícita se um jogador, dirigente ou membro da comissão técnica apostar em si ou no adversário ou permitir que alguém do próprio convívio faça essa fezinha. Tá lá, doutor, no artigo 55. E este é lotado de proibições. E detalhe: conduta ilícita leva punição não só do STJD como também sofre as penas determinadas pelo Código Disciplinar da FIFA.

Pra fechar! Um bastante importante para quem vai ao Estádio. Cada torcedor presente tem direito a receber um seguro no valor de R$ 25 mil em caso de morte ou invalidez. Se sofrer algum acidente, pode receber R$ 3 mil para despesas médicas hospitalares e odontológicas. Está lá no artigo 91.

Por isso que é muito importante saber as regras antes de começar a disputar um campeonato. Para conferir o regulamento geral das competições da CBF é só ler ou clicar no link abaixo.