O racismo voltou à tona no embate entre argentinos e brasileiros. Na partida River Plate 2×0 Fortaleza, nessa noite de quarta-feira, no Monumental de Nunez, em Buenos Aires, pela 2ª Rodada do Grupo G da Libertadores, o ato racista foi filmado e trouxe repúdio de todos os lados.

Um torcedor do lado a torcida do River Plate descasca uma banana e joga para a torcida do Fortaleza. O crime foi repudiado pelos dois clubes. O presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, inclusive, pediu punição ao racista e disse que o futebol não tolera mais esses atos.

Se não houver punição não vai adiantar nada solidariedade, notas, pedidos de desculpas. É necessário punição severa ao racista e ao clube. É preciso cortar na “carne”. Este Blog é contra perda de pontos, ou mudança de local de partida. Sou contra a ideia de que um criminoso (identificado) possa prejudicar milhares. Mas o clube deve sofrer uma multa pesada, muito pesada. Mexer no bolso.

Ao criminoso, que seja punido com o rigor da Lei e ainda sofra com todas sanções possíveis na esfera esportiva. Enquanto ao clube, que perca todo o valor recebido de premiação e cota de participação da competição e que todo o valor (100%) das próximas rendas dos jogos, em casa, no Monumental, sejam destinadas às vitimas de racismo em associações e fundações ao País da (s) vítima (s) (no caso Brasil, mais especificamente a cidade de Fortaleza).

Quando se mexe no bolso, seja de uma pessoa, servidor público, empregado ou desempregado, aposentado ou celebridade, seja de uma empresa, ou uma instituição pública ou privada a consequência é rápida, o aprendizado é conquistado e a repetição não é repetida.