Fotos: Conmebol/Twitter

Pela 1ª vez, desde que chegou a Porangabuçu, o técnico Marquinhos Santos conseguiu contar com praticamente todo o elenco do Ceará, apenas Erick, machucado, não pôde jogar. E o que se viu nesta quarta-feira, na Arena Castelão, foi a melhor atuação do time alvinegro sob o comando do treinador.

A vitória por 3×0 em cima do The Strongest, na partida de volta das Oitavas de Final da Copa Sul-Americana, mostrou um Ceará intenso e arrasador montado num esquema com apenas 2 volantes de origem (Richardson e Richard) Vina no meio, na posição em que prefere, e com 3 atacantes: Lima, Zé Roberto e Mendoza.

Só para se ter uma ideia da força alvinegra, com apenas 4 minutos de bola rolando, a equipe já havia feito 2 finalizações. Se não bastasse, em 5 minutos fez 3 gols: aos 24 com Richardson aos 27 com Victor Luís e aos 29 do 1º tempo com Mendoza, mas a arbitragem acabou anulado o tento do colombiano por estar impedido.

Ou seja, o Ceará, que poderia apenas empatar contra os bolivianos para avançar às quartas de final, atuou como se tivesse precisando vencer por um placar elástico e conseguiu o objetivo mostrando um bom futebol.

O placar de 3×0, construído com 2 gols na etapa inicial, além do 3º marcado por Lima no início do 2º tempo, poderia ter sido muito mais, se o time tivesse caprichado um pouco mais para anotar uma goleada histórica e obviamente não tivesse tirado o pé depois dos 25min, com as alterações para rodar o elenco.

Por falar em histórica, é exatamente assim a campanha do Ceará. Impressionante o que faz o Vovô. Melhor campanha com 8 jogos e 8 vitórias, melhor ataque com 22 gols marcados e melhor defesa com apenas 2 tentos sofridos.

Que venha o São Paulo (ou o Universidad Católica/CHI) nas Quartas de Final!