O anúncio do Decreto de Lockdown em todo o Estado do Ceará feito pelo Governador Camilo Santana na última quarta-feira, indicava que o Campeonato Cearense está suspenso deste sábado, 13, até o dia 21 de março.

Com o Decreto publicado na sexta-feira, 12, a Federação Cearense de Futebol foi obrigada, de forma oficial, a confirmar a paralisação do Estadual. O grande problema, agora, para a entidade e para os clubes é saber quando a competição poderá voltar.

Nada garante que a proibição do Governo de paralisar o Campeonato Cearense seja concluída em 21 de março e o retorno possa acontecer já no dia seguinte. E é essa incerteza que mais maltrata o planejamento dos cinco clubes, que sobrevivem apenas do Estadual: Atlético, Caucaia, Crato, Icasa e Pacajus.

Nesta segunda-feira, 15, os representantes dos clubes pretendem se reunir com o Presidente da FCF, Mauro Carmélio, para debaterem sobre o assunto. Sem perspectivas, a lamentação dos dirigentes passa do treinamento para os atletas até sobre como pagar a folha salarial.

Sem saber quando os jogos voltam, não dá para seguir com o atual cronograma de atividades físicas e nem quando ou como será o pagamento do elenco, comissão técnica e funcionários.

Dirigentes ouvidos pelo Blog lamentam as mortes na pandemia, mas pedem também apoio para poderem sobreviver. “É claro que a gente sofre com tudo o que está acontecendo. Todos nós temos um familiar, um amigo ou um conhecido que já sofreu ou que já morreu por causa desse vírus. Mas nós também cuidamos de dezenas de funcionários que precisam de seu sustento. Ninguém quer ver mortes, mas ninguém também quer ver as pessoas desempregadas. É tudo muito difícil. Você vê clubes grandes do futebol brasileiro passando por dificuldades, imagina nós? Quantos clubes pequenos estão nessa situação? É preciso muita sensibilidade de todos, é preciso vacina, mas falta bom senso também”, desabafou a presidenta do Atlético Cearense, Maria Vieira.

“Precisamos conversar com o Presidente da Federação, Mauro Carmélio. Está tudo muito difícil”, resumiu França Bezerra, presidente do Icasa.

“Minha tristeza é a tristeza dos clubes e ligas que estão passando e passarão por dificuldades. Infelizmente, o campeonato está parado até o dia 21 de março”, declarou Mauro Carmélio.