Juan Pablo Vojvoda ainda não completou nem um mês à frente do comando do Fortaleza. Em compensação, em sete jogos já são cinco vitórias dois empates e uma taça de campeão cearense. Pra completar marcou 23 gols e sofreu apenas 4 e ainda teve vitórias expressivas contra o Atlético/MG, na estreia no Brasileirão, e o 2×0 contra o Ceará pelo Estadual.

Mas se os números não mentem, há muitas outras verdades que precisam ser ditas sobre o atual treinador do Fortaleza, que está encantado a todos e recebeu rasgados elogios dos comentaristas Caio Ribeiro e Walter Casagrande Júnior, da TV Globo, e de Mauro Cezar Pereira, do UOL e SBT.

Nessas sete partidas no comando leonino, Vojvoda não repetiu uma vez sequer a escalação do time por duas vezes consecutivas. Apesar de ter enfrentado adversários de condição técnica e estrutural muito fracas como Crato, Icasa e Atlético (no Campeonato Cearense), o Fortaleza já encarou o maior rival, Ceará, 3 vezes, e o Atlético/MG, em pleno Mineirão.

E foi justamente em Belo Horizonte que o “mundo” conheceu esse argentino de Córdoba. Com uma escalação ousada e uma forma de atuar audaciosa diante do melhor time da Libertadores, Vojvoda ajudou o Fortaleza a virar o jogo contra o Galo, no segundo tempo, e sair de Minas Gerais com um feito histórico e principalmente arrebatador.

“Eu achei o time do Fortaleza muito organizado. É um time muito forte no contra-ataque. Jogando pra cima. Foi lá no Mineirão, contra o Atlético, que fez um super time, e mereceu ganhar a partida. Me impressionou”, declarou Casagrande, no programa Bem, Amigos! do Sportv.

O esquema com 3 zagueiros, 4 ou 5 meio campistas e 3 ou 2 atacantes tem surpreendido e impressionado a todos. Não só pelo posicionamento, mas também pela ousadia (nos últimos jogos ele tem escalado laterais como defensores) e principalmente pela forma de jogar pra frente.

No segundo tempo contra o Atlético/MG, foi pra cima e mesmo depois do empate não ficou satisfeito e conseguiu a virada nos acréscimos.

Nessa quarta-feira, pela Copa do Brasil, diante do Ceará, outra vez atuando com 3 zagueiros (dois laterais como defensores e apenas Titi como zagueiro de ofício) teve mais posse de bola, controlou a partida, teve a iniciativa e deixou o adversário no campo de defesa. Levou o gol num erro do goleiro, mas outra vez no segundo tempo jogou melhor, colocou o time todo pra frente e por pouco não saiu com uma nova virada.

“Apenas três semanas separam o Fortaleza de Vojvoda do Fortaleza de Enderson. Difícil até acreditar.  E olhe que os resultados no ano eram bons com Enderson. Já o desempenho… Início do argentino é animador. Diretoria surpreendeu na escolha. E parece que acertou em cheio”, escreveu o repórter André Galindo, da TV Globo.

Em entrevista coletiva recente, Vojvoda disse que vai haver jogos em que não terá mais posse de bola, mas se o adversário permitir, vai querer, sim, controlar a partida. Na final do Campeonato Cearense, o Fortaleza permitiu o Ceará ficar com a bola, mas com uma forte marcação e uma defesa bem postada (com uma linha de 5) segurou o 0x0 e levantou a taça de campeão.

Na noite passada, diante do mesmo Ceará, o que se viu foi um Fortaleza semelhante ao do triunfo por 2X0 ainda na fase classificatória pelo Estadual, quando montou uma equipe pra surpreender o adversário e ganhar o jogo.

“O time tricolor já vem há algum tempo procurando montar times que desejem a bola, troquem passe desde os zagueiros, conte com volantes que sejam meio-campistas, capazes de desmarcar e passar bem. Com Rogério Ceni, que comandou o Leão de 2018 a 2020, essa identidade de jogo foi desenvolvida e o clube a mantém…. A contratação de Juan Pablo Vojvoda para a temporada 2021 passou por isso. O argentino foi procurado após uma análise de seu trabalho e da conclusão de que era um treinador de fato com ideias que se adaptam bem aquilo que o clube deseja”, escreveu o comentarista Mauro Cezar Pereira.

Aliás, esquecer Rogério Ceni era o grande desejo da diretoria do Fortaleza. A cada tropeço ou partida ruim com os sucessores Marcelo Chamusca e depois Enderson Moreira, a torcida tricolor se voltava a lamentar a saída do atual treinador do Flamengo. Só que com a chegada de Vojvoda, o bom futebol, o título estadual e os resultados já ajudaram a conquistar uma parte dos mais exigentes torcedores leoninos.

O caminho do treinador, contudo, é desafiador. Apesar do início arrebatador, Vojvoda não esconde e nem ilude nas entrevistas coletivas. Pelo contrário, fala que o time errou em alguns aspectos, que precisa trabalhar em outros fatores e que a jornada é bem longa até o fim da temporada.

Nos próximos dois jogos, diante do Internacional (pelo Brasileirão, domingo, no Castelão) e contra o Ceará, na partida que vale a classificação às oitavas de final da Copa do Brasil e mais R$ 2,7 milhões aos cofres tricolores, Vojvoda e seu estilo serão outra vez colocados à prova. Pelo retrospecto, os tricolores estão bem confiantes.

📸 Leonardo Moreira/FortalezaEC