Diferentemente da estreia contra o Grêmio, quando venceu o jogo por 3×2 e escalou um time praticamente todo reserva, na noite desse sábado na Vila Belmiro, o Ceará foi a campo com vários titulares, mas nem de longe mostrou o futebol do domingo passado.

Com atuações ruins de Vina, Vizeu, Sobral, Jorginho e uma noite infeliz do zagueiro Messias, o Ceará não foi páreo para um Santos, que nem se esforçou tanto, e perdeu por 3×1, na segunda rodada da Série A do Brasileiro.

A péssima apresentação serve de alerta e de cobrança a todos os envolvidos para o Clássico-Rei da próxima quinta-feira, 10, contra o Fortaleza, que vale vaga nas oitavas de final e R$ 2,7 milhões de premiação.

Até o técnico Guto não foi bem. A escalação inicial com dois volantes (Oliveira e Sobral), dois meias (Vina e Jorginho) e dois atacantes (Vizeu e Saulo) não surtiu efeito. No primeiro tempo, o time pouco produziu. Até começou bem criou uma chance com Oliveira, mas depois do gol sofrido (um golaço de Jean Mota, aos 18min), a equipe sentiu e quase não atacou. Antes, já havia feito um pênalti, num lance infeliz do zagueiro Messias, que o atacante Marinho chutou pra fora.

Só que no último minuto da etapa inicial, o Vovô achou um pênalti cometido pelo volante Alisson. Vina foi pra cobrança e empatou. O Ceará ia para o intervalo com um resultado excelente. Precisava só ajustar do meio pra frente, onde quase não fez nada.

Mas Guto não mexeu e sem transição efetiva, sem posse de bola e sem ofensividade, o Santos foi pra cima e em nova falha do zagueiro Messias, Marinho aproveitou e marcou o segundo do Peixe, aos 17min. Depois disso, o Ceará virou coadjuvante total. E o adversário estava muito mais próximo do terceiro, do que um eventual empate.

E foi o que aconteceu aos 26 minutos com Kaio Jorge, em cobrança de escanteio. O camisa 9, livre na área, não precisou nem pular, para marcar de cabeça (a bola ainda desviou em Messias) era o terceiro do Santos e praticamente matava a partida.

Guto demorou para fazer mudanças. Apesar de ter tirado Vizeu e colocado Cléber, só foi fazer outras alterações aos 33 minutos, mas a sensação que ficou foi de mudar o time para não perder de goleada do que para tentar o empate. Tirou Lacerda, Sobral e Vina, colocando Jordan, Charles e Rick.

Uma partida para ser esquecida, sem dúvida alguma. Agora, é juntar os cacos, se reorganizar e focar completamente na Copa do Brasil. Uma classificação pode ser o início do renascimento do grupo alvinegro. No entanto, uma eliminação pode causar graves consequências.

📸 Comunicação/SantosFC