A indignação do presidente do Ceará, Robinson de Castro, com a decisão do Conselho Técnico do Brasileirão, na última terça-feira, de permitir ao Bahia adiar a partida contra o time alvinegro provocou um debate sobre o papel da famigerada Liga dos Clubes.

A decisão de beneficiar o Bahia (que esta com jogadores lesionados e passar por uma crise técnica e financeira) ao adiar o jogo do próximo sábado, às 19h, na Fonte Nova, e prejudicar o Ceará, que não quer atuar em uma semana, onde estaria de folga (a CBF marcou a partida para a quarta-feira, dia 27 de outubro), fez o Presidente Robinson de Castro fazer vários questionamentos.

“É por isso que eu digo que futebol é prosa, não é poesia. Negócio de Liga, não sei o que, união, essas coisas todas. Tudo é da boca pra fora”, resumiu o mandatário alvinegro.

O objetivo de uma Liga de Clubes é tentar chegar a um consenso para vários assuntos. É óbvio que vai haver tomadas de decisões em que algum clube será beneficiado, desde que essa ajuda não prejudique o rival. O exemplo claro é o de Palmeiras x Juventude e Red Bull x Corinthians. O Verdão e o Bragantino decidiram jogar mesmo sem público, sem prejudicar os adversários.

A decisão de permitir que o mandante possa definir se vai ou não haver o jogo passa por um acordo entre os clubes envolvidos. Do contrário, vira baderna. Por isso, é preciso a decisão da entidade, neste caso da CBF. Mas ela deixou nas mãos dos clubes, que aceitaram adiar, mesmo causando prejuízo ao Ceará.

O exemplo de adiar jogos dos times com jogadores convocados é o retrato fiel de como deveria ser tratado todo esse imbróglio. A CBF não beneficia a equipe (neste caso específico, tá?), ela não deixa que aquele time seja prejudicado. E esse é o ponto.

O Bahia não seria prejudicado, nem o Ceará. Mas adiar a partida, prejudica o alvinegro e beneficia o tricolor. Ah, mas não teria público. Não há garantias que haverá público dia 27 (pra quando a partida foi marcada) e a não presença de público não prejudicaria o Bahia, só lembrar que quando enfrentou o Ceará, no 1º turno, não havia torcida no Castelão.

A Liga dos Clubes deve atuar com o objetivo de trazer melhores condições para os clubes, ao invés da CBF. Na 1ª oportunidade, o Flamengo foi sozinho atrás de uma Liminar para poder jogar com torcida. Na 2ª oportunidade, liberaram o Bahia de enfrentar o Ceará.

Imagina quando tiverem organizando tabela de jogos, definindo valores de transmissão, escolhendo arbitragem para partidas decisivas, ou ainda punindo jogadores e dirigentes? Quem serão os beneficiados? Ou melhor, quais clubes serão os prejudicados? REFLITA!

📸Ascom/CBF