Claro que seria uma das tarefas mais difíceis do Brasileirão. Vencer o Galo, no Mineirão, onde não perde desde maio, e ainda com o apoio do torcedor? O time do Ceará tinha consciência de que precisaria fazer um jogo sem falhas para sair com o resultado positivo.

Mas não foi o que aconteceu. Apesar da arbitragem polêmica, o Ceará não jogou bem no 1º tempo, levou 2×0 e ainda viu o técnico Tiago Nunes ser expulso. Na etapa final, até equilibrou a partida, mas nada que abalasse a cidadela (que palavra) do goleiro Everson. Tanto que levou o 3º e só nos acréscimos fez o de honra com Gabriel Lacerda.

Porém, não é esse tipo de derrota que traz preocupação ou levanta suspeita sobre o trabalho do novo técnico Tiago Nunes e da diretoria alvinegra. É que dos últimos 9 jogos, o Ceará ganhou apenas 1, do lanterna e virtualmente rebaixado time da Chapecoense (por 1×0, dentro de casa).

A evolução, desde a chegada do novo treinador em 1º de setembro, era necessária, devido às apresentações do time com ex-técnico Guto Ferreira. Mas se houve melhoras dentro das quatro linhas (seria difícil ficar pior), só são 5 pontos em 15 disputados.

Apesar de 1 ou 2 jogos a menos (dependendo do concorrente), a zona de rebaixamento não se distancia. Claro que se vencer ou somar pontos diante de Bahia e Palmeiras (as 2 partidas atrasadas) ajudam a subir na tabela, mas caso não aconteça a situação tende a ficar ainda mais preocupante.

Por isso, é preciso entender que não é sair do Mineirão com a vitória que traz receio. É não vencer, seja quem for, para não padecer como em 2019, quando contou com a ajuda de outros adversários para não cair.

E no segundo tempo deste jogo contra o Atlético/MG, o Ceará atuou com 3 zagueiros. Messias, Luiz Otávio e Gabriel Lacerda. Creio que é possível o time utilizar mais esse esquema, aparentemente, mostra mais segurança. O que falta é ajustar lá na frente. Algo como deixar Erick no banco e colocar Mendoza fica difícil de entender, mas que é preciso respeitar o dia a dia dos treinos do elenco.

📸Felipe Santos/CearáSC

📸Fernando Moreno/AGIF/CBF