Era mais uma chance de chegar à vice-liderança do Brasileirão. Depois da bela vitória contra o Fluminense, por 2×0 no Maracanã, o Fortaleza vinha embalado e ainda tinha o apoio do torcedor para enfrentar o Flamengo, um concorrente direto e cheio de desfalques (Gabigol, Everton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique, Diego Alves, Davi Luiz, Diego Ribas e Isla nem no banco ficaram).

Mas o que se viu foi um Fortaleza que respeitou demais a superioridade carioca. Cometeu erros decisivos e ainda fraquejou na tentativa de jogar pra frente. Esses 3 fatores, aliados ao 3×0, em 6 minutos, no segundo tempo (dos 15 aos 21), foram um golpe muito duro. A derrota, claro que foi merecida, mas como aconteceu tornou-se acachapante.

Os 3 componentes que levaram a esse revés, o 5º em 7 partidas, passam obviamente pela baixa produção de alguns jogadores principalmente da parte ofensiva. Na derrota para o Atlético/GO, foram 16 finalizações. Nesse sábado, foram apenas 6 (2 apenas pro gol). A bola não chegava a Edinho e nem a Wellington Paulista, e aí é que deviam aparecer Pikachu, Lucas Limas e Crispim.

Porém, é aí que entra o 2º fator, o ímpeto do Flamengo. Com uma marcação em cima, sufocando o Fortaleza no próprio campo de defesa e não dando espaço, os tricolores ficaram mais preocupados em não levar gol, do que fazer. E quando apareceram as falhas individuais, no erro de Felipe Alves, por exemplo, o gol adversário saiu.

Com isso, o Fortaleza teve de ir pra frente, se abriu e não deu outra. 5 minutos depois, levou mais 2 gols e ainda teve Ronald expulso. Um jogo pra colocar na galeria daqueles que é pra esquecer ou pra ser lembrado sempre para servir como aprendizado.

📸Kely Pereira/AGIF/CBF