Em entrevista coletiva, após o empate por 1×1 contra o Bahia, na noite dessa quarta-feira, na Fonte Nova, em partida atrasada da 23ª Rodada do Brasileirão, o técnico do Ceará, Tiago Nunes, fez uma avaliação sobre o jogo.

“O empate que é pra se comemorar foi contra o Juventude, onde fomos superados pelo adversário e onde eles criaram as melhores oportunidades. Hoje é de se lamentar. Porque penso que foi um jogo muito equilibrado. As duas equipes tiveram poucas chances de gol. A gente fez uma partida muito consistente, no que tange a parte defensiva. Tivemos algum equilíbrio na parte ofensiva, saímos na frente do placar com um belíssimo gol. E aí, numa situação, praticamente, individual do Bahia. Num chute de longa distância do artilheiro do campeonato brasileiro, acabamos sofrendo o empate. E depois penalizados, no meu ponto de vista, absurda. O árbitro muito condicionado pelo ambiente. Até fica meu registro e minha dúvida: por que nos jogos no Castelão são árbitros Fifa, de alto nível e de qualidade, e os jogos fora de casa, nosso, tem sido árbitros de qualidade duvidosa. Porque a gente viu o que aconteceu dentro do jogo, no lance do Cléber. No primeiro lance, ele fez uma falta normal, no segundo lance, imagino que foi para amarelo, e acabamos sendo prejudicado. Enfim, comemorar, no sentido de somar mais um ponto, mas estamos ainda longe do ideal, no que tange a tabela. A gente queria estar numa condição melhor de pontuação, mas valorizar muito o esforço dos jogadores. Eles lutaram, batalharam principalmente a partir dos 30 minutos do primeiro tempo, onde a gente começou a botar a bola no chão e jogar. Impôs um ritmo no Bahia, jogando aqui dentro, motivado pelo torcedor deles e a gente passou a ser o dono das principais ações dentro do campo”, analisou o comandante alvinegro.

Tiago Nunes foi questionado também como tem de ser a postura da equipe alvinegra na próxima partida. No domingo que vem, às 16h, no Castelão, o adversário será o Fluminense (com transmissão da TV Globo e Premiere). Vovô vai tentar voltar a vencer depois de 7 rodadas.

“Tem de ser uma equipe inspiradora. Que traga o torcedor. Que faça o torcedor acreditar em nós, acreditar no time dentro de campo. Grande parcela de jogos dentro de casa, nós conseguimos ser esse time. Criamos muitas chances de gol em casa. Impomos ritmo. E por alguma circunstância, os resultados não vieram. Então, eu peço que nós tenhamos capacidade de competir mais uma vez, sermos eficientes e, principalmente, contar com o apoio do nosso torcedor. E torcedor tem um papel muito importante. Independente se ele gosta de jogador A, B ou C. Se ele gosta do treinador ou não, o clube está acima de nós todos. E a gente precisa apoiar o clube nesse momento. Então, independente do momento em que o time esteja atravessando, porque em algum momento o adversário é melhor que a gente dentro do campo, a gente precisa do carinho, do apoio torcedor em massa. Precisa da presença do nosso torcedor, a confiança e dependemos disso para dar tranquilidade aos jogadores para atuarem bem dentro de campo”, completou.

Para conferir a entrevista na íntegra do técnico do Ceará, clique no vídeo abaixo:

📸Reprodução/Youtube