Não existe a menor possibilidade do atual Presidente do Ceará, Robinson de Castro, não ser eleito para o terceiro mandato na próxima terça-feira, 16 de novembro, em pleito marcado para a sede do clube, em Porangabuçu.

Robinson construiu uma base forte e tem o apoio da esmagadora maioria do conselho deliberativo, que vai eleger o presidente e os dois vices da Diretoria Executiva para o triênio 2022, 2023 e 2024. A oposição, liderada pelo candidato Paulo Vasconcelos, ex-médico do clube, ainda tenta, através de recursos jurídicos, impedir, mas aí vai entrar em outra seara, que este Blog prefere não discorrer, porque a vida pessoal e familiar de quem quer que seja não deveria ser motivo para debate.

E é justamente a candidatura de Paulo Vasconcelos, que estremeceu a relação do atual presidente com aliados, conselheiros e amigos. O médico, que todos no clube já sabiam não ter a menor condição de ganhar a eleição, não conseguiu o diálogo que queria com Robinson e por isso fez, faz e fará oposição.

Conhecido pelo estilo centralizador, o atual mandatário alvinegro não deu ouvidos a Paulo Vasconcelos a quem muitos o acusam de ter pego a corda errada. Preocupado (e com razão) com o futuro do time no Brasileirão, Robinson não quis conversa e mesmo com os avisos e pedidos de que seria melhor conversar com o opositor, deixou pra lá.

E aí, abriu um precedente constrangedor para o clube. A exposição de fake news, de vídeos e de boatos muitos deles via grupos de whatsapp, levaram a aliados a não gostarem do ambiente criado. E assim, muitos culpam o próprio presidente pela situação em que chegou.

Há ainda outro componente, mais grave, que preocupa uma ala do clube. A forma como Robinson de Castro vai para a disputa do 3º mandato, depois de uma mudança no estatuto, em 2015, alguns da oposição e até alguns conselheiros ouvidos pelo Blog argumentam que juridicamente é um equívoco.

Em todo caso, Robinson teve o parecer favorável do Conselho para disputar a eleição. É considerado por muitos como o maior presidente da história do Ceará, inclusive superando Evandro Leitão. Os títulos estaduais, da Copa do Nordeste, o acesso e a permanência na elite nacional, a mudança de status da base com taças e vendas milionárias de atletas e principalmente a gestão administrativa elevaram o Ceará a outro patamar e muito por causa da gestão atual.

Não há um só conselheiro que não reconheça as conquistas de Robinson de Castro, que está à frente do Ceará desde 2016, mas chegou bem antes, justamente através do seu antecessor. Porém, não é possível agradar a todos. E aí, sempre que há uma estremecida política no clube, muitos recordam de Evandro Leitão.

O ex-presidente do clube e atual presidente do conselho deliberativo e ainda presidente da Assembleia Legislativa do Estado, que ficou famoso não apenas pela transformação histórica que causou no clube, mas também pelo poder de agregar e aglutinar até mesmo os mais ferrenhos opositores, foi quem levou Robinson de Castro para o Ceará.

Vale lembrar que no começo da gestão lá em 2008, Evandro enfrentou uma forte e dura oposição, como ele mesmo gosta de falar a interlocutores – LISO – mas com muita categoria e competência, soube lidar com a pressão dos adversários (dentro do próprio clube) inclusive cedendo cargos em diretorias.

E faltou justamente esse poder aglutinador, que muitos acreditavam que Robinson pudesse ter usado, ou escutado, ou mesmo consultado, para tentar evitar a chegar na situação atual. Não haveria nenhum problema para ele, já que a eleição está ganha e ainda impediria qualquer disputa judicial, seja em qualquer esfera, seja para quem fosse.

Apesar de publicamente Evandro e Robinson mostrarem que já fizeram as pazes, depois de um período afastados, há ainda alguns pontos que não foram totalmente resolvidos, mas ambos defendem que o mais importante é a instituição, independente de qualquer amizade, vaidade ou interesse pessoal.

E a defesa de Robinson é justamente essa. O clube sobreviveu no meio de uma pandemia, segue forte fora e dentro de campo (melhor campanha da história nos pontos corridos, disputa da Copa Sul-Americana, campeão brasileiro de aspirantes, maior patrocínio da história do clube e ainda lutando para buscar uma nova vaga em uma competição internacional).

Em meio ao momento crucial em que o Ceará passa neste momento de reta final do Campeonato Brasileiro, o que todos os alvinegros querem é que fora das quatro linhas todos estejam alinhados com o melhor para o clube.

Afinal, depois do jogo contra o Sport, domingo que vem, na terça-feira, acontece a eleição e no dia seguinte o Clássico contra o Fortaleza. Ou seja, os próximos dias serão não só decisivos na parte política, mas dentro de campo também.

📸Ascom/CearáSC
📸Reprodução/Instagram

Nota do Blog: Em contato com o Blog, o Presidente do Ceará, Robinson de Castro, informou que não só tentou como conversou algumas vezes com o candidato Paulo Vasconcelos e inclusive o convidou para fazer parte da próxima gestão do clube.