A ida do atacante Silvio Romero para o maior rival foi um duro golpe na torcida do Ceará. Em centenas de comentários nas redes sociais, em lives e em alguns programas de rádio, foi possível perceber um misto de indignação e decepção com o desfecho final do centroavante argentino. O vilão, eleito pelos alvinegros, é o presidente do clube, Robinson de Castro.

A revolta dos torcedores é até compreensível (em alguns aspectos) e apenas extravasa o sentimento que se arrasta desde o final do ano passado, quando o Ceará precisava de 2 vitórias nos últimos 2 jogos do Brasileirão (um deles em casa e o outro diante do Sub-20 do Palmeiras) para garantir vaga na Libertadores e desperdiçou. O consolo de disputar novamente a Sul-Americana não satisfez os mais exigentes.

Porém, a diretoria alvinegra sabia que enquanto a bola não rolasse, haveria uma maneira de mitigar os ânimos: contratações. Menos de 1 semana depois do fim do Brasileirão, o presidente Robinson de Castro concedeu uma coletiva, que durou mais de 1 hora e anunciou que faria de 6 a 8 contratações.

Os primeiros 5 que surgiram não empolgaram tanto, mas no final do ano passado surgiu a informação de que o clube buscava um camisa 9. Silvio Romero (até então desconhecido de muitos) seria o nome. Mas as negociações, as conversas, a desistência e o desfecho fizeram os torcedores reviverem o sentimento do final do ano passado com a não classificação para a Libertadores.

Dessa forma, os dirigentes alvinegros vão precisar de uma estratégia eficaz para acalmar os nervos dos fãs e segurar a pressão inflamada da torcida.

Faltando ainda 2 semanas pra bola rolar e com o elenco ainda em ritmo de pré-temporada, não dá pra cravar que o time consiga uma arrancada na Copa do Nordeste e encante a todos com um futebol de encher os olhos como ocorreu no início de 2021, quando chegou a ser destaque no jornal espanhol AS.

Porém, no dia 5 ou 6 de fevereiro, daqui a cerca de 3 semanas, já vai acontecer o 1º Clássico-Rei da temporada. Depois do que aconteceu no Brasileirão, quando o Vovô estava em baixa e mesmo assim conseguiu vencer os 2 jogos, o último numa goleada humilhante e histórica por 4×0, o torcedor foi ao apogeu.

Ou talvez, a solução seja realmente contratar um grande nome. Com orçamento superior a R$ 150 milhões para 2022 e com mais de 32 mil sócios adimplentes, há, sim, recurso para poder ir ao mercado e trazer um reforço de peso.

Agora é com a diretoria.

📸Felipe Santos/CearáSC
📸Stephan Eilert/CearaSC