Pelo investimento feito, pela folha salarial, pela perspectiva da temporada, pela comissão técnica e principalmente pelo elenco que tem, o Ceará não deveria ser eliminado pelo Iguatu. Foram 2 jogos, 1 em casa e o outro fora de casa.

Não houve uma bola perdida, não foi ninguém expulso, não houve erro da arbitragem, nem surgiu um vilão. É incompetência em alto grau. Não há desculpa. Os que podem argumentar de que o Iguatu jogou bem, é óbvio que jogou, mas o Ceará deveria jogar melhor ainda para pelo menos empatar diante de um adversário, que nunca sequer chegou às quartas de final no Estadual.

Uma derrota e principalmente uma eliminação dessas com certeza tem grandes consequências. E não há defesa que possa ser feita a todos no Ceará: elenco, comissão técnica e diretoria.

Foram 90 minutos de mais uma partida tenebrosa da equipe alvinegra. Não bastasse o 2º tempo trágico na terça-feira, no Castelão, agora, neste sábado, os comandados do técnico Tiago Nunes conseguiram a proeza de jogarem ainda pior.

O resultado de 1×0 para o Iguatu no tempo normal foi merecido e justo. Foi o único que realmente jogou pensando em vencer a partida. E detalhe, depois levar o gol, aos 35min do 2º tempo, o Ceará parecia conformado com o placar. Só para se ter uma ideia, a primeira finalização na etapa complementar aconteceu aos 44min em um chute do volante Marlon, que passou bem longe da meta do goleiro Léo.

Nos pênaltis, o 4×3, com Vina, Marlon e Lacerda perdendo as cobranças foi apenas a consequência de uma tragédia anunciada.

Parabéns ao esforçado e humilde time do Iguatu. Principalmente ao técnico Washington Luiz, um dos ótimos treinadores do futebol cearense que vem de 4 acessos consecutivos e montou uma estratégia boa, sem desespero e sem deixar de acreditar no que muitos pensavam ser impossível.

Agora, é esperar para saber o que a diretoria do Ceará tem a dizer, a reconhecer e a principalmente fazer para não surgir outros vexames, porque este jamais será esquecido.

📸Israel Simonton/CearáSC