O Presidente do Ceará, Robinson de Castro, concedeu entrevista coletiva remota na tarde desta terça-feira, na sala de imprensa do clube ao lado de vários diretores e do presidente do conselho deliberativo, Evandro Leitão.

Antes de responder as perguntas enviadas pelos repórteres, o mandatário alvinegro fez um pronunciamento e praticamente respondeu vários questionamentos. Confira:

Eliminação no Estadual

O que nos resta é pedir desculpas e agir. Nós não temos que está aqui justificando, tentando buscar justificativas. É até difícil você querer explicar. São somas de vários detalhes, que nos dá uma frustração desse tamanho, que me traz até uma vergonha muito grande. Envergonhado com o que aconteceu. Tenho certeza que os torcedores, os atletas estão envergonhados. Todos que fazem o Ceará estão envergonhados. Tem algumas poucas que podem estar vibrando com isso, mas isso faz parte do mundo que a gente vive, o futebol. E pra gente é motivo de assimilar essa pancada grande para um clube com o Ceará hoje. Independente de onde jogar, o Ceará tem de se impor. Então, é um pedido aqui de desculpas. Em nome do Ceará, em nome de todos que fazem o clube, em meu nome. Eu sou o responsável maior pelo clube. Por isso, minhas sinceras desculpas.

Contratações

Acho que nós perdemos algum tempo com falhas no processo interno. Como é que se contrata no Ceará? É um consenso, sempre foi. Tem de participar o treinador, que tem uma palavra muito forte. Tem o executivo, que é vai conversar, o pessoal da análise de mercado e o presidente e o diretor da área. Porque a gente precisa legitimar a contratação. Algumas contratações tiveram que seguir critérios muito firmes, por conta do modelo de jogo e acabaram sendo deixadas pra lá. E na realidade sempre se tem muita dificuldade de encontrar exatamente o que se quer. Então, se pode não encontrar o que a gente quer, vamos encontrar algo que pode nos ajudar também, mas que não seja exatamente o que se quer. Então, talvez isso tenha sido um prejuízo na celeridade da contratação de jogadores principalmente para o ataque. Tivemos de respeitar um modelo de jogo, mas às vezes não tem as peças exatamente com as características, que precisa. Então, a gente precisa ser um pouco mais flexível nesse sentido e procurar realmente trazer alguém para suprir, inclusive, carência, numa substituição de um jogador e ter condição de eventualmente fazer uma avaliação tática. Isso também é algo que a gente está trazendo. Inclusive a gente já tem um jogador aqui fazendo teste hoje no Ceará. Vocês devem saber quem é. Eu não vou anunciar, porque não assinei. Nós estamos buscando mais outros jogadores para o ataque e para o primeiro volante, porque o Richard teve um problema no maxilar. Temos conversado com alguns atletas.

Eleições

Foi dada uma liminar, uma decisão provisória. Isso é uma decisão interlocutória, está longe de um julgamento de mérito. Você sabe que muitos que ficam insatisfeitos com decisões da Justiça ficam pra lá e pra cá com artifícios e vai criando esses imbróglios. E isso cria uma instabilidade. E já hoje jogadores me ligaram preocupados ao ver notícias na imprensa de uma forma. Cria-se uma tensão dentro o clube. Porque do ponto de vista de legitimidade o conselho já fez a opção dele. Nós respeitamos muito a Justiça. É uma decisão provisória, reversível. Nós vamos tomar os remédios jurídicos para isso. Nossa equipe jurídica deverá pedir uma revisão, ou até mesmo um recurso em uma instância superior, para que elimine a decisão dessa segunda instância. Lembrando que o mérito é resolvido na primeira instância e até então estava favorável a eleição. Claro que isso é mais uma interpretação de momento da Justiça de segundo grau. O importante é passar um pouco de tranquilidade para as pessoas que confiam no nosso trabalho, que confiam na nossa gestão, que estão aqui apoiando, que são parceiros que estão preocupados com isso.

Executivo de Futebol

Nós não vamos trazer ninguém porque eu já tinha outro executivo aqui no clube, que é o Sérgio Dimas. Nós tínhamos dois, tem clube que só tem um. O Sergio Dimas pode estar à frente desse departamento junto com o Armando Desessards, que é o coordenador técnico, que é um cara muito preparado, que já foi executivo do América Mineiro na última temporada. Esses dois estão aqui no departamento de futebol, então não vejo necessidade da gente trazer ninguém.

Tiago Nunes

O Tiago Nunes é funcionário do clube. Ele não decide quem fica ou quem sai. Esse papel é nosso, meu como presidente, e eventualmente os membros da diretoria. Mas ele não participa, ele não toma conhecimento, ele não foi sequer comunicado de quem iria deixar o clube. É um treinador que tem conteúdo, que mostrou que tinha condições de estar no comando do Ceará na Série A. Pode ter cometido seus erros, como eu. Mas a gente julgou que não deveria fazer essa troca agora. Foi uma decisão inclusive que eu acabei tomando escutando a minha diretoria. Ficamos quase 12 horas em reunião, estudando o que iríamos fazer, para já começar a pensar pra frente

Veja a entrevista na íntegra