A 2 jogos do tão sonhado tetracampeonato cearense, líder do grupo A e classificado às quartas de final da Copa do Nordeste e ainda não perdeu nesta temporada. Porém, o Fortaleza vem apresentando um futebol longe daquele que encantou a todos em 2021.

Apesar dos badalados reforços e dos adversários modestos, o time tricolor em 11 jogos nesta temporada tem mostrado dificuldades para imprimir a famosa intensidade pregada pelo treinador Juan Pablo Vojvoda. Talvez, nessa onzena de partidas, somente em 3 houve aquela volúpia (que palavra!) que todos conhecem.

Na goleada sobre o Sousa, por 5×0, na abertura da temporada, no empate contra o Ceará, por 1×1, e na vitória por 3×1 sobre o Bahia. Ainda teve também o 5×0 diante do Pacajus, mas a fragilidade do adversário, que ainda jogou por mais de 70 minutos com um jogador a menos, contribuíram para o bom funcionamento.

Por outro lado, nos duelos contra o mesmo Pacajus (1º jogo), Botafogo/PB, Náutico, Altos e agora os 2 últimos diante do Ferroviário, foi possível ver um Fortaleza recheado de dificuldades e jogando de forma completamente distinta do que é pregado pelo técnico argentino.

“O primeiro tempo foi muito bom, criamos situações de gol. O Fortaleza impôs sua capacidade, seu funcionamento, sua ideia de jogo, conseguiu um gol e acho que poderia ter construído outro. No segundo tempo, é verdade que não tivemos o funcionamento que tivemos no primeiro, o adversário jogou bem, trocou jogadores e ao nivelar a partida conseguiu o empate […] Eu sou o responsável. O time tem de sustentar a regularidade do primeiro tempo por mais minutos […] Era uma semifinal, nosso objetivo também era conseguir chegar a final, isso é para se valorizar. Corrigiremos o que temos que corrigir durante os treinos, como fazemos sempre”, declarou Vojvoda, após a vitória por 2×1 em cima do Ferroviário neste sábado, no Castelão.

A responsabilidade e as correções passam por Vojvoda, obviamente. Mas alguns fatores já inquietam os torcedores mais exigentes, que enxergam falhas claras como nas substituições nesse jogo contra o Ferroviário. Tirar Moises de campo e permanecer com Robson não agradaram e nem resolveram a apatia do ataque.

Há ainda o fato de a estrela do elenco, o argentino Silvio Romero, ter começado no banco e nem sequer ter entrado durante a partida. Se não bastassem, as atuações de Matheus Vargas não estão agradando e mesmo assim o treinador tem repetidamente insistido na presença do meio-campista.

Pra completar, como o próprio comandante tricolor falou, o time não consegue fazer ou manter 2 tempos com o mesmo padrão. A qualidade e principalmente a intensidade são distintas e obviamente o rendimento sofre uma queda, que os adversários aproveitam.

A FCF deve marcar ainda neste domingo a data do 1º jogo da decisão do Campeonato Cearense entre Fortaleza e Caucaia para terça ou quarta-feira (14 ou 15/03), depende da grade do SBT, que detém os direitos de transmissão. Até lá, Vojvoda terá pouco tempo para corrigir os erros, mas a postura poderá ser diferente.

📸Reprodução/Instagram

📸Leonardo Moreira/FortalezaEC