Do famigerado 23 de setembro de 2017 para o 7 de abril de 2022 são menos de 5 anos. A libertação tricolor transcende a lógica e transformou o flagelo da Série C em uma épica ascensão recheada de vitórias encantadoras, campanhas impactantes e conquistas memoráveis.

Independentemente do resultado em campo, a partida diante do chileno Colo-Colo, na Arena Castelão, nessa quinta-feira, entrará de vez para a história do Fortaleza em seus mais de 100 anos de vida. Nunca antes em momento algum do futebol cearense, uma equipe participou da principal competição de clubes do continente. A Taça mais cobiçada das Américas terá entre os postulantes o Leão do Pici.

Disputar pela primeira vez a Copa Libertadores é muito mais que apenas entrar em campo para buscar o resultado positivo. Essa estreia era vista como um verdadeiro sonho impossível de ser alcançado.

Se alguém, em maio de 2017, após ficar fora das finais do Cearense, ao ser eliminado pelo Ferroviário, e estrear com derrota no Brasileiro para o Remo, falasse que em menos de 5 anos, o Fortaleza iria sair do Inferno da C para disputar a Libertadores estaria delirando. Havia diversos obstáculos pela frente para driblar e naquele momento o delírio era algo impossível de acreditar.

Mas esse sonho, talvez, tenha sido um dos combustíveis que transformou um clube endividado e devastado em exemplo de gestão administrativa e encantador dentro das quatro linhas. As barbaridades sofridas numa terceira divisão nacional trouxeram imunidade para passar por diversas tribulações, aprender com os próprios erros, ganhar impulsão e emplacar títulos, triunfos e jornadas inéditas.

Tricampeão Cearense, Bicampeão do Nordeste, Campeão Brasileiro da Série B, 3º colocado na Copa do Brasil e 4º lugar no Brasileirão.

A Libertadores vai escrever uma nova página na história dos tricolores e comprova que sonhos impossíveis podem ser alcançados. Nesta primeira noite, vai ser difícil algum torcedor do Fortaleza sonhar. Com certeza, estará acordado vendo aquele delírio se tornar em uma arrebatadora realidade.

📸Leonardo Moreira/FEC
📸Sílvio Carvalho Marques/Arena Castelão
📸Pedro Chaves/FCF