A guerra envolvendo as placas de publicidade ao redor do campo em jogos do Campeonato Brasileiro ganhou mais um capítulo na última sexta-feira. Há pouco mais de um mês, Ceará, Fortaleza e mais outros 9 clubes romperam contrato com a agência Sport Promotion e fecharam acordo com a Brax.

No entanto, a Sport Promotion entrou na Justiça e ganhou uma Liminar da 40ª Vara Civil da Justiça do Rio de Janeiro. A juíza Simone Gastesi Chevrand mandou proibir que os 11 clubes com os quais a empresa tinha contrato rompessem o acordo apenas com o pagamento da multa rescisória.

O valor da multa é de R$ 1 milhão e iria ser pago pela Brax. No novo acordo, Ceará, Fortaleza e os outros clubes iriam ganhar praticamente o dobro do que recebem da Sport Promotion (algo em torno de R$ 5 milhões) com quem têm contrato até o fim de 2023.

Vale lembrar que as agências adquiriram diretamente com os clubes mandantes das partidas do Brasileirão os espaços das placas em volta do campo e revendem a patrocinadores.

As placas de publicidade pertenciam à Rede Globo, devido aos contratos de direitos de transmissão feitos anteriormente. Só que a partir de 2019, a emissora carioca abriu mão de comprar esses direitos. Assim, os clubes negociam de forma separadamente.

Na época, a CBF chamou os clubes participantes para fechar um acordo em conjunto. E quem ganhou os direitos de exploração das placas foi a Sport Promotion, com contrato de 2019 a 2023.

Segundo o jornalista Rodrigo Mattos, do UOL, cada uma das agências tem sites de apostas como principais patrocinadores. Betano e Sportingbet seriam as duas empresas na luta para ficar com as placas.

Agora, é esperar para saber até onde vai essa guerra de placas, de agências, de casa de apostas e se duvida até da Justiça.

📸Leonardo Moreira/FortalezaEC