A fragilidade do Deportivo La Guaira, já vista no duelo em Caracas, no mês passado, quando o Ceará venceu por 2×0, levou a todos a imaginarem que o time alvinegro poderia passar por cima dos venezuelanos, na noite dessa terça-feira, na Arena Castelão.

O Ceará, porém, sofreu no 1º tempo, tanto que o torcedor vaiou a apresentação da equipe antes de ir para o intervalo. Com uma escalação bastante modificada (Richard, Nino, Lacerda, Messias e Victor Luís, Richard, Kelvyn e Wescley, Mendoza, Cléber e Lima), a equipe pouco produziu, teve raras chances claras de abrir o placar, mesmo diante de um time bastante limitado tecnicamente.

Dorival Júnior, então, foi obrigado a fazer mudanças e com isso o panorama da partida foi alterado completamente. Em 5min de 2º tempo, o Ceará já havia ficado 2 vezes na cara do gol. E logo depois, resolveu o jogo em 16min.

Erick, que havia se destacado diante do Caballero, no Paraguai, mas não atuou bem no revés contra o Red Bull, foi o grande destaque com 2 assistências e 1 gol. Ao lado de Vina e Mendoza, o Ceará fez os gols necessários para acalmar os ânimos dos mais de 20 mil alvinegros presentes na Arena.

O time teve intensidade, domínio do jogo, mais chances pra fazer o 4º e até 5º, mas acabou saindo apenas com o 3×0, que devido ao Independiente ter goleado o Caballero por 4×0, deixou aquela sensação de que era pra ter feito muito mais ante a fragilidade do La Guaira (o saldo de gols pode definir a classificação).

E olhe que os Venezuelanos ainda tiveram 2 oportunidades para descontarem, mas claramente o adversário possui deficiências que comprovam o motivo de serem tão fracos quanto a outra equipe paraguaia deste Grupo G da Sul-Americana.

Dorival rodou as peças do seu elenco, mas com Vina em campo e Erick inspirado é possível perceber que o Ceará muda não apenas de postura, mas principalmente ganha qualidade.

📸 Felipe Santos / Ceará SC