A CBF resolveu escolher o Presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, para chefiar a delegação da Seleção Brasileira nos amistosos que serão realizados contra Coreia do Sul e Japão. O anúncio aconteceu nesta quarta-feira, quando Tite convocou 27 jogadores para as partidas em 02 e 06 de junho, respectivamente.

Em vídeo divulgado pelo Fortaleza, Marcelo Paz disse que é um sonho sendo realizado servir ao Brasil e que se sente feliz e agradecido. Não é por menos, afinal, dirigente de clube chefiar a delegação da Seleção não é comum, normalmente são chamados dirigentes de Federação.

Foto: Reprodução/Instagram

Quando um dirigente de clube é convocado, geralmente é de uma agremiação do Sul-Sudeste (Corinthians, Flamengo, Cruzeiro, São Paulo, Vasco, Palmeiras, Coritiba, Grêmio…). Ou seja, um presidente de time e ainda por cima de “fora do eixo” é algo muito, muito raro.

Aliás, é bom que se diga que essa função, ou melhor essa chefia, é algo tradicional dentro da Seleção Brasileira e é exercida há várias décadas. Em 1958, por exemplo, quando o Brasil foi disputar a Copa do Mundo e ganhou o 1º título, o chefe da delegação foi o empresário paulista Paulo Machado de Carvalho. Ele fez tanto sucesso, que em 1962 voltou à função e a Seleção foi bicampeã mundial, no Chile.

A convocação de Marcelo Paz mostra o prestígio do futebol cearense, da Federação, do Fortaleza e obviamente do próprio mandatário tricolor. Não dá pra imaginar um dirigente ou um clube que provoca desconforto, briga ou tem entrevero com a CBF exercer essa função (chefia) ainda mais no âmago da Seleção próxima de uma Copa do Mundo.

Reconhecidamente um ótimo gestor, bem visto no meio e considerado por especialistas como um dos melhores administradores de clubes do País, Paz ganha visibilidade, aumenta a notoriedade entre colegas dirigentes, amplia o network e deve render frutos num futuro (próximo ou um pouco mais distante).

O curioso é que a convocação à Seleção Brasileira chega justamente 2 dias depois de o Presidente do TJDF/CE, Fred Bandeira, chamar Marcelo Paz de dirigente pequeno, por ter feito duas críticas a gestão do chefe do tribunal. Talvez, o auditor da corte judicante tenha se precipitado novamente, como fez em suas decisões anteriores.

Longe de confusão (até no nome), Paz vive um momento pródigo na curta carreira como dirigente. E não apenas como gestor do Fortaleza, onde o clube segue em crescimento colhendo excelentes resultados dentro (títulos e conquistas) e fora de campo (faturamento recorde e superavit financeiro), mas também na imagem.

Foto: Reprodução/Instagram

Recentemente foi até a Europa palestrar sobre gestão esportiva onde dividiu o palco com o treinador português, Jorge Jesus, entre outros nomes de peso do Velho Continente e está prestes a lançar um livro, em parceria com o jornalista Fábio Pizzato. Sem esquecer que no início desta semana, ganhou da Câmara Municipal de Fortaleza a Medalha Boticário Ferreira.