Foto: Felipe Santos/Ceará SC

Havia mais de 1 mês que o Ceará não era derrotado. O último revés acontecera em 20 de maio, o duelo contra o Athletico, na Arena da Baixada, onde perdeu por 1×0, pela 5ª Rodada do Brasileirão.

De lá pra cá, eram 12 partidas com 5 vitórias e 7 empates. Um dos triunfos, justamente, contra o rival Fortaleza, 1×0, pelo Brasileirão. Só que nesta quarta-feira, no jogo de ida das Oitavas de Final da Copa do Brasil, o Ceará perdeu por 2×0 para o Tricolor.

Se não bastasse, foi a 3ª partida sob o comando de Marquinhos Santos, que o Ceará não marcou gols. Na estreia do novo treinador alvinegro, empate por 0x0 contra o Atlético/MG, no Castelão, e em seguida, nova igualdade sem gols no final de semana passado diante do Cuiabá, fora de casa.

Mais do que a derrota e a perda da invencibilidade, a atuação do Ceará neste Clássico-Rei foi bastante abaixo, principalmente no 2º tempo, quando o Fortaleza praticamente dominou a partida, administrou o resultado quando ainda era de 1×0 e a equipe alvinegra não teve força e nem competência para superar o bloqueio tricolor.

Foto: Lucas Emanuel/AGIF/CBF

Sem tempo para treinar e só podendo se reforçar a partir de 18 de julho (quando a janela de transferências abre), Marquinhos Santos vai ter que se virar para encontrar soluções no setor ofensivo. Próximo duelo é pelo Brasileirão, domingo, às 18h, no Castelão, contra o Atlético/GO.

É uma partida imprescindível para as pretensões alvinegras no Campeonato e principalmente para dar tranquilidade ao treinador, que chegou agora e não precisa de uma turbulência neste início de jornada. Val lembrar ainda que os goianos são um concorrente direto. O Atlético/GO tem os mesmos 16 pontos do Ceará, só que está uma posição acima (12º), porque tem uma vitória a mais.