Fotos: Felipe Santos/Ceará SC

Apresentado como novo treinador do Ceará há 1 mês, mais precisamente em 14 de junho, Marquinhos Santos, como ele mesmo revelou, chegou a Porangabuçu “no olho do furacão”.

O comandante alvinegro não foi a 1ª opção da diretoria alvinegra, vinha com a obrigação de manter o ótimo trabalho do seu antecessor, Dorival Júnior, não teria tempo para treinar, disputaria um mata-mata pela Sul-Americana e tinha um Clássico-Rei eliminatório/decisivo pela Copa do Brasil.

1 mês depois, Marquinhos classificou o Ceará para as quartas de final da Copa Sul-Americana, com 2 excelentes vitórias diante do The Strongest, uma delas, histórica, na altitude de La Paz.

Por outro lado, o Ceará perdeu uma invencibilidade de 11 jogos no Brasileirão e caiu para a zona de rebaixamento. Pra completar, acabou eliminado pelo rival na Copa do Brasil, de forma dramática, mas ao mesmo tempo mostrando um futebol bem abaixo do que pode apresentar.

Talvez, seja justamente esse futebol que esteja maltratando os alvinegros e fazendo o técnico Marquinhos Santos balançar no cargo. Claro que não se pode negar que o treinador alvinegro tem pouco tempo de trabalho e principalmente sem tempo pra treinar.

No entanto, como já foi dito acima, Marquinhos Santos sabia do calo que iria sofrer e, diante do que terá pela frente, vai precisar da força e do apoio do elenco para permanecer firme no cargo.

Na última quarta-feira, o torcedor do Ceará deu o sinal de que está descontente com o comandante alvinegro. Na apresentação da escalação do time, no alto falante do Castelão, Marquinhos Santos foi o único vaiado.

Por isso, vencer o Corinthians neste sábado, às 21h, no Castelão (com transmissão do Premiere), para sair da Zona de Rebaixamento é crucial para a sua permanência à frente do Ceará. Do contrário, só a diretoria poderá responder o que será feito.