Não bastasse a situação crítica do gramado, que é considerado o pior da competição, a Arena Castelão voltou a ser destaque de forma negativa com a falta de energia, que causou o término de um jogo (Fortaleza 0x0 Palmeiras) e atraso de outro (Ceará 1×0 Avaí).

Em ambas as partidas, os árbitros relataram na súmula os acontecimentos. Assim, Ceará e Fortaleza devem ir a julgamento e, caso condenados, a Arena pode ser até interditada.

Nessa quinta-feira, 21, o Coritiba, que teve problema semelhante em partida, justamente com o Tricolor cearense, vai ser julgado pelo STJD devido a atraso de partida por queda de energia no Couto Pereira.

E um dos artigos em que clube paranaense está incurso, a punição pode ser a interdição da praça esportiva.

Art. 211. Deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infra-estrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização.
PENA: multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais), e interdição do local, quando for o caso, até a satisfação das exigências que constem da decisão. (NR).

Os incidentes ocorridos na Arena Castelão foram em um espaço de menos de 10 dias. O 1º no último dia 10 de julho, na partida Fortaleza 0x0 Palmeiras. O árbitro Wilton Pereira Sampaio relatou em súmula. Veja abaixo:

aos 44′ minutos e 14″ segundos do segundo tempo de jogo, a partida foi paralisada em razão de falta de iluminação adequada no estádio. conforme previsto no regulamento geral das competições da cbf, foi aguardado o prazo de 30′ minutos para restabelecimento da iluminação. durante esse período, seguindo orientações do comandante do policiamento, foi solicitado que ambas as equipes aguardassem o tempo
previsto em seus vestiarios por questões de segurança. após encerrado o prazo de 30′ minutos fomos informados pelo sr. rogerio nogueira pinheiro ( sec. de esporte e juventude do estado do ceará ) e responsável pela administração da arena castelão, que houve uma sobrecarga eletrica e consequente queda da substação 01 da arena castelao, nao havendo previsão de retorno,conforme documento em anexo. dessa forma foi comunicado aos responsaveis das equipes, sr marcelo paz ( presidente da equipe fortaleza e.c.) e o sr anderson barros ( diretor de futebol da equipe s.e. palmeiras ), que a partida foi suspensa em definitivo

No entanto, o que agrava ainda mais a situação do Estádio é que na semana passada, a administração da Praça Esportiva garantiu ter resolvido todos os problemas, inclusive foi enviada uma carta à CBF garantindo que o Clássico-Rei entre Ceará e Fortaleza pela Copa do Brasil poderia ser realizado.

O duelo cearense pelo torneio nacional aconteceu sem nenhuma ocorrência, assim como o jogo seguinte entre Ceará e Corinthians. No entanto, nessa quarta-feira, 19, a partida Ceará 1×0 Avaí foi atrasada em quase 50min por queda de energia nos refletores, e o árbitro Caio Max relatou na súmula, veja abaixo:

“Motivo de atraso no início e/ou reinício, e de acréscimos: Atraso no início da partida de 45 minutos devido a queda de energia de duas torres de iluminação, antes do início da partida. foram aguardados 30 minutos e, nesse período, fui comunicado pelo delegado da partida sr sérgio josé firakovski que a iluminação seria restabelecida em até 15 minutos. assim que a iluminação foi restabelecida, a partida foi iniciada.foi respeitado um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do covid 19 e também ao sr nilo roberto neves, ex atleta do coritiba fc e ao sr dirceu josé vaz, pai do conselheiro do coritiba, sr dirceu tadeu vaz.acréscimos devido à substituições, avaliação e retirada de atletas supostamente lesionados do campo de jogo e tempo de var”.

Foto: SEJUV

Em nota, Secretaria do Esporte e Juventude (SEJUV), que administra a Arena, explicou o que aconteceu:

“Faltando 25 minutos para o início da partida entre Ceará e Avaí tivemos uma queda na iluminação de campo nos setores S4, S5 e S6 que ficam sobre a arquibancada superior central. O sistema de geradores funcionou normalmente, mas a iluminação de campo não segurava a energia. Tendo em vista esse problema, tivemos que desligar a subestação número quatro e fazer uma operação manual. Por uma questão de segurança, tendo em vista que é uma área energizada, demandou um tempo maior para o estabelecimento da energia que ocasionou o atraso no início da partida. A partida transcorreu normalmente sem maiores problemas”

Foto: Renato Manso/Futebolês

Abaixo, veja o que disse secretário Rogério Pinheiro, da SEJUV, ao jornal O Povo:

“Iremos fazer uma perícia juntamente com os engenheiros da superintendência de obras públicas do Estado do Ceará para avaliar o que houve em decorrência do sistema não ter entrado automaticamente. O porquê dos refletores não terem segurado a carga elétrica, tendo em vista que a energia estava chegando até os refletores. Então vamos aguardar essa perícia técnica para ter informações mais precisas do ocorrido”.

Agora, é esperar (se) quando Ceará e Fortaleza irão a julgamento para saber o que poderá acontecer.