Foto: Pedro Souza/Atlético

O Ceará subiu um degrau alto no quesito contratação. O clube alvinegro adquiriu 65% dos direitos econômicos do meio-campista Guilherme Castilho, que pertencia ao Atlético/MG, por R$ 9,6 milhões.

É a maior contratação da história do futebol cearense. O novo reforço do Ceará assina vínculo por 5 anos. Ou seja, até 2027. Não há nenhum atleta no elenco alvinegro com esse período de contrato.

Só para ter uma ideia do tamanho dessa negociação, anteriormente, a maior contratação havia sido do atacante Renato Kayzer, do Fortaleza, que pagou ao Athletico R$ 6 milhões. Ou seja, Castilho custou 50% a mais do que o atleta leonino.

Além de ser uma jovem promessa, com talento e que chega a Porangabuçu para ajudar o grupo do técnico Marquinhos Santos neste Brasileirão e Copa Sul-Americana, Guilherme Castilho é também um enorme investimento feito pela diretoria do Ceará.

Os dirigentes sabiam (sabem) que Castilho tem bola e mercado para ser adquirido por um valor ainda maior num futuro não tão distante. A diretoria conversou com agentes, sondou o mercado e viu a possibilidade na sua frente.

Por isso, investiu pesado. O clube, inclusive, estaria disposto a chegar até a R$ 10 milhões, se fosse necessário, para contratar o atleta. O esforço não é à toa. E não existe essa de dar errado. O Ceará acredita piamente que o meio-campista pode contribuir dentro e fora de campo.

Claro que somente o tempo vai poder comprovar o paradigma alvinegro. Todos que vivem no futebol sabem da gangorra que é e há inúmeros exemplos de equívocos. Por outro lado, o Ceará já deu também exemplos de que sabe investir, que o digam: Everson, Richardson, Saulo Mineiro…

Guilherme Castilho também ajudou nesse trunfo alvinegro. O jogador bateu o pé e quis jogar no Ceará. Ou seja, quando o desejo é mútuo não tem quem segure.

Só pra lembrar: Castilho começou no Mirassol e o Atlético o levou para as categorias de base. Em 2020, se destacou no Brasileiro Sub-20, o clube mineiro o contratou em definitivo, em seguida o emprestou para o Confiança e o Juventude – ambos por empréstimo e se destacou. Voltou ao Galo, foi reintegrado ao elenco profissional no início deste ano, mas não conseguiu se firmar.