Na quarta rodada do Brasileirão, dia 17/06, o Ceará perdeu para o Bahia por 2×1, de virada, no Castelão. E a pressão para a saída do técnico Guto Ferreira era enorme. Afinal, o time completava 4 jogos sem vitória e as eliminações na Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e perda do título estadual estavam ainda na mente do torcedor.

No dia seguinte, quinta-feira, o treinador alvinegro precisava fazer a lista dos jogadores, que iriam viajar a Porto Alegre para enfrentar o Internacional. Guto tinha nada menos do que 11 desfalques: Richard, João Ricardo, Alan Uchôa, Luiz Otávio, Klauss, Fabinho, Willian Oliveira, Jael, Rick, Cléber e Felipe Vizeu.

Mesmo jogando melhor, o Ceará empatou por 1×1 com o Inter e de lá pra cá não perdeu mais. Já são oito partidas sem nenhuma derrota, com 3 vitórias e cinco igualdades. O time alvinegro não joga o melhor futebol do mundo é verdade, longe disso, há deficiências, dificuldades, mas mostra um futebol competitivo e cria situações de gols, que são para o seu treinador o mais importante.

A virada de jogo do técnico Guto Ferreira lá no campo ainda passou por outros problemas fora das quatro linhas. Ele perdeu mais 3 jogadores: o volante Charles e os atacantes Saulo e Felipe Vizeu. Os dois primeiros negociados e o último não renovou contrato. Para completar, nesta semana mais 3 desfalques: o lateral-direito Gabriel e os atacantes Jael e Mendoza foram suspensos pelo STJD.

No meio de tudo isso, apenas 3 reforços: 3 jovens atacantes para o time de aspirantes, mas que podem dar uma colaboração na equipe principal (Cristiano, Wendson e Hélio Borges). E neste sábado, diante do Athletico Paranaense, um deles, Wendson, brilhou e fez o gol da vitória no último lance da partida.

Aliás, diante do Furacão, o Ceará não pôde contar com 4 jogadores, que seriam titulares: o lateral Gabriel Dias, o zagueiro Luiz Otávio e os atacantes Jael e Mendoza. Isso sem contar que havia outros ausentes como o zagueiro Jordan, o volante Oliveira e o goleiro João Ricardo (todos reservas, mas machucados).

Ainda falando desse Vovô contra o Athletico, o time teve mais finalizações, mais posse de bola e mais chances reais de gol, que o adversário. Talvez os números ainda não traduzam o que o torcedor alvinegro deseja, principalmente porque 3 das quatro vitórias do Ceará neste Brasileirão foram conquistadas no último minuto.

Por outro lado, o Ceará deve terminar essa 12ª Rodada na 7ª, 8ª ou 9ª posição com 18 pontos. O que é algo surpreendente, principalmente para uma equipe cheia de desfalques e que ainda não conseguiu levar a campo os 11 melhores jogadores do elenco.

Talvez, com a chegada de reforços, com tempo para treinar e com o retorno dos jogadores ausentes, dá até para pensar em algo maior. Competitividade, força de vontade e determinação, esse grupo já mostrou que tem de sobra. e não foi falta por falta de aviso do técnico Guto Ferreira. Como diria um político acolá: “deixa o homi trabalhar”.

📸 Felipe Santos/Cearasc