A batalha jurídica entre Ceará e o atacante Alex Amado teve mais uma disputa e novamente vencida pelo jogador. Na última quarta-feira, 21, a Seção Especializada do Tribunal Regional do Trabalho do Ceará não aceitou o mandado de segurança impetrado pelo clube alvinegro e manteve a decisão da 8ª Vara do Trabalho de Fortaleza, que havia concedido liminar determinando a reintegração do atleta ao elenco alvinegro.

A informação é do Canal do Vozão.

Com 34 anos, Alex Amado está fora dos gramados desde junho de 2017. O jogador sofreu lesões joelho, no músculo da coxa e na tíbia. Nos últimos 3 anos, a diretoria do Ceará renovou contrato com ele duas vezes. Na ação trabalhista, o atleta pede para ser reintegrado ao elenco. Os advogados afirmam tratar-se de um acidente de trabalho e, assim, Alex não poderia ser demitido por ter adquirido estabilidade provisória.

Já a defesa do Ceará alega que a lesão diagnosticada após o fim do contrato do jogador é uma nova enfermidade física, não havendo qualquer relação com a contusão anterior, tratada quando ele estava vinculado ao clube.

A liminar obtida pelos advogados de Alex Amado foi concedida pelo juiz do trabalho substituto Antônio Célio Martins Timbó Costa, da 8ª Vara do Trabalho de Fortaleza. “Pelos documentos carreados aos autos, tem-se certo que, em face de acidente de trabalho ocorrido no curso do contrato de trabalho, o reclamante sofreu lesão em seus joelhos, da qual ainda não havia se recuperado por ocasião da dispensa”, afirmou o Magistrado no despacho da liminar, em janeiro deste ano.

O departamento jurídico do Ceará havia entrado com o mandado de segurança no TRT/CE, alegando ilegalidade e abuso de poder na decisão de primeira instância. Ao analisar o caso, a relatora, desembargadora Maria Roseli Mendes Alencar, manteve a liminar concedida pelo juiz e confirmou a reintegração do jogador ao elenco do clube alvinegro. A decisão foi acompanhada pelos demais desembargadores que compõem a Seção Especializada do TRT/CE.

Vale lembrar que essa decisão do Tribunal cabe recurso e o departamento jurídico do Ceará vai entrar.

📸 Ascom/Cearasc