Há quase 2 meses, no dia 7 de agosto, o Fortaleza ratificava a condição de principal surpresa do Brasileirão com um futebol encantador ao ganhar de virada do Palmeiras, por 3×2, em pleno Allianz Parque. No entanto, após esse triunfo, o time (na Série A) entrou num declínio que passou dos limites no sábado passado.

São 8 partidas e somente 1 vitória, com 3 empates e 4 derrotas. A última, 3×0 para o Atlético/GO, em pleno Castelão, fez os torcedores presentes vaiarem a apresentação da equipe, justamente no tão sonhado reencontro com os fãs tricolores.

Se não bastasse, o último triunfo leonino em solo cearense aconteceu somente em julho, contra o Red Bull, por 1×0, no Castelão (lembrando que são jogos pelo Brasileirão. Na Copa do Brasil, teve a bela vitória contra o São Paulo).

Até o incontestável Juan Pablo Vojvoda já começou a receber críticas de alguns torcedores mais exigentes. A escalação e a insistência com alguns jogadores têm elevado o tom dos mais exaltados, que não escondem a insatisfação de não ver, por exemplo, Edinho e Henríquez entre os titulares.

Além disso, a queda de rendimento de jogadores até então cruciais na excelente campanha tricolor coincidiram com o fraco desempenho do time nas últimas partidas. Pikachu, Felipe, Robson, David e Wellington Paulista nem de longe são os mesmos do protagonismo, que executaram no 1º turno.

Há ainda o fato, que muitos analistas defendem, de que o estilo de jogo do Fortaleza já não é mais surpresa para os adversários, que já descobriram antídotos para impedir o até então surpreendente futebol leonino.

Em coletiva, após a derrota para o Atlético/GO, o técnico Juan Pablo Vojvoda reconhece que falta ao time corrigir a forma de jogar sem a bola, sem o controle do jogo. O revés para o Dragão mostrou uma equipe que abusou dos chuveirinhos e sofreu sem saber como entrar na defesa goiana.

Nessa quarta-feira, às 21h30, no Maracanã, diante do Fluminense, o Fortaleza vai ter mais uma prova dura para voltar não só a vencer, mas comprovar que é possível, sim, se recuperar e seguir firme no G4. Na classificação, o Leão, mesmo com todo esse retrospecto, permanece em 4º lugar com 36 pontos.

📸Leonardo Moreira/FortalezaEC